Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Minha Opinião

A Minha Opinião

13.09.07

As Criancinhas


Penedo

Criancinhas

A criancinha quer Playstation. A gente dá.
A criancinha quer estrangular o gato. A gente deixa.
A criancinha berra porque não quer comer a sopa. A gente elimina-a da ementa e acaba tudo em festim de chocolate.
A criancinha quer bife e batatas fritas. Hambúrgueres muitos. Pizas, umas tantas. Coca-Cola, às litradas. A gente olha para o lado e ela incha.
A criancinha quer camisola adidas e ténis nike. A gente dá porque a criancinha tem tanto direito como os colegas da escola e é perigoso ser diferente.
A criancinha quer ficar a ver televisão até tarde. A gente senta-a ao nosso lado no sofá e passa-lhe o comando.
A criancinha desata num berreiro no restaurante. A gente faz de conta e o berreiro continua.
Entretanto, a criancinha cresce. Faz-se projecto de homem ou mulher.
Desperta.
É então que a criancinha, já mais crescida, começa a pedir mesada, semanada, diária. E gasta metade do orçamento familiar em saídas, roupa da moda, jantares e bares.
A criancinha já estuda. Às vezes passa de ano, outras nem por isso. Mas não se pode pressioná-la porque ela já tem uma vida stressante, de convívio em convívio e de noitada em noitada.
A criancinha cresce a ver Morangos com Açúcar, cheia de pinta e tal, e torna-se mais exigente com os papás. Agora, já não lhe basta que eles estejam por perto. Convém que se comecem a chegar à frente na mota, no popó e numas férias à maneira.
A criancinha, entregue aos seus desejos e sem referências, inicia o processo de independência meramente informal. A rebeldia é de trazer por casa. Responde torto aos papás, põe a avó em sentido, suja e não lava, come e não limpa, desarruma e não arruma, as tarefas domésticas são «uma seca».
Um dia, na escola, o professor dá-lhe um berro, tenta em cinco minutos pôr nos eixos a criancinha que os papás abandonaram à sua sorte, mimo e umbiguismo. A criancinha, já crescidinha, fica traumatizada. Sente-se vítima de violência verbal e etc. e tal.

Em casa, faz queixinhas, lamenta-se, chora. Os papás, arrepiados com a violência sobre as criancinhas de que a televisão fala e na dúvida entre a conta de um eventual psiquiatra e o derreter do ordenado em folias de hipermercado, correm para a escola e espetam duas bofetadas bem dadas no professor «que não tem nada que se armar em paizinho, pois quem sabe do meu filho sou eu».
A criancinha cresce. Cresce e cresce. Aos 30 anos, ainda será criancinha, continuará a viver na casa dos papás, a levar a gorda fatia do salário deles. Provavelmente, não terá um emprego. «Mas ao menos não anda para aí a fazer porcarias».
Não é este um fiel retrato da realidade dos bairros sociais, das escolas em zonas

problemáticas, das famílias no fio da navalha?

Pois não, bem sei. Estou apenas a antecipar-me. Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo. E então teremos muitos congressos e debates para nos entretermos.

("A Devida Comédia" de Miguel Carvalho)

04.09.07

Escutas telefónicas


Penedo

20:28 - PC COM TT

 

TT - Então? Que é que se passa pá? Fui agora mesmo ao Sá Carneiro e dizem-me que ainda não chegaram. Passa-se alguma coisa, pá?

PC - Não, não! Uma merda de um atraso aqui nos aviões, viemos para Lisboa por causa de uma merda qualquer. Era o que me faltava ter que vir a Marrocos hoje.

TT- Olha, e entretanto, já se sabe quem escolheu para Leiria? É importante começar bem o ano, carago!

PC - Ó pá, em princípio é o Bruno, que o Ferreira e o Olegário estão queimados com os lagartos há pouco tempo. O Bruno vai mais sossegado!

TT - Pá, mesmo assim, não era melhor arranjar alguma coisa para desviar os olhos? Senão esses tipos lembram-se da Madeira o ano passado, ou da cena do Bessa, no primeiro ano do Zé?

PC- Pois, se calhar tens razão, deixa estar, havemos de pensar nalguma coisa. Eu falo com o AH e ele avisa! Um abraço!

TT - Não fiques muito tempo nas Arábias! Até amanhã pá!

21:36 - PC COM AH (dirigente da SAD e chefe da comitiva)

 

PC - Olha, ainda estão no avião, não é? Como é que isso está?

AH - Calmo, calmo, daqui nada metem-nos noutro avião de volta ao Porto. Sem
problemas, presidente!

PC - É que eu precisava que me fizessem uma coisa, pá! Armem aí confusão com as
hospedeira, o capitão, qualquer coisa. Armem a bronca a sério, que eu amanhã meto isso tudo no jornal.

AH - Então mas para quê, presidente?

PC - Cortamos relações com esses murcões, amanhã só se fala nisso, e o resto passa tudo ao largo. Vais ver!

AH - Com a TAP? Pá, e a gente não precisa dessa gente dos aviões, depois?

PC - Fazemos como com os jornais, as televisões e tudo o resto, depois quando precisarmos reatamos relações e fica tudo bem!

AH - O presidente realmente é espectacular. Sendo assim vou aqui falar com o capitão e com o R e já armamos a boa!

 

22:09 - TT COM AH

 

TT - Então pá, ligo a televisão e isto parece o São João. Que é que se passa, pá?

AH - Ordens de cima, pá, não te preocupes. Deixa o caldo ferver, está tudo controlado.

TT - Mas houve merda?

AH - Nada de mais, um apalpão a uma hospedeira toda boa e uns ameaços ao capitão. O tipo ia-se borrando todo, pá!

TT - Então e agora voltam como?

AH - Já está tudo tratado, vêm aí uns autocarros e estamos aí esta noite. Entretanto é preciso que isto saia em todo o lado.

TT - Nem é preciso fazer nada, pá. Basta ligar a televisão, estão todos em cima disto.

AH - Boa! Olha, hoje vais ao sítio do costume?

TT - Claro, aquilo desde que a pu*** escreveu a me*** do livro, o melhor é ir ao outro lado que o antigo está cheio de bófias e bufos. Mas a carne continua a ser de primeira! E chega para todos.

AH - É como se quer. Olha, mesmo assim guarda qualquer coisa para mim, até logo!

 

03:50 - PC COM AH

 

AH - Esta do Bruno para Leiria, enquanto o pessoal ainda está a discutir aquilo dos aviões, vou-lhe dizer uma coisa, pá! Eu sabia que o presidente era um génio, mas esta!, fo***!

PC - Para onde é que ele vai depois?

AH - Para um sítio espectacular, pá, está tudo tratado com a agência!

PC - Vê lá onde vai parar a factura desta vez, pá?

AH - Não se preocupe presidente...se for preciso até vai pela TAP!

(Risos)